segunda-feira, 23 de junho de 2014

O chamado que recebi: Não o desiludais!


“Leva-me aonde os homens, necessitem tua palavra, necessitem de força de viver... onde falte a esperança, onde tudo seja triste, simplesmente, por não saber de ti...”

É assim como diz o trecho da música Alma Missionária que se traduz minha vivência de fé, meu serviço a Deus e minha experiência de comunidade de Emaús. Há 11 anos tive a graça de participar desta experiência de vida que se chama “Curso de Valores Humanos e Cristãos”, promovido em nossa Arquidiocese pelo Instituto das Comunidades Missionárias em Emaús, mais conhecido por Movimento de Emaús. Esta, foi a porta de entrada para o reavivamento da minha fé, para redescobrir o Cristo Ressuscitado e para a confirmação da minha vocação enquanto jovem missionária.

Aprendi na prática que “jovem evangeliza jovem”, como costumamos dizer em nossa comunidade. Esta simples frase fez com que percebesse minha responsabilidade neste processo e permitiu que algumas ações concretas fossem traçadas sobre minha vida.

A primeira delas é estar aberta ao chamado constante que Cristo faz, para ser jovem missionária, atenta às necessidades daqueles que não encontram alento, esperança, paz e a verdadeira alegria neste mundo que nos cerca, tão carente de valores e de referenciais sólidos.

Já a segunda, diz respeito à disposição, entrega, escuta e esforço consciente, buscando a cada dia transformar–me em verdadeira discípula fiel de forma que o mestre, em mim, transpareça. Na prática não é difícil identificar se estamos bem cumprindo esta missão ao nos perguntarmos sempre em um breve exame: hoje, com minhas ações, quantas pessoas se aproximaram de Deus? E quantas se afastaram?

Devemos “exalar o bom perfume de Cristo”, já dizia São Paulo. Que desafiadora e gratificante missão! Uma das minhas mais belas experiências de fé foi receber a confirmação deste chamado no apelo do papa Bento XVI aos jovens por ocasião da JMJ 2011 em Madri, da qual tive a graça de participar:

"....Prezados jovens amigos, o Senhor está a pedir-vos que sejais profetas desta nova era, mensageiros do seu amor, capazes de atrair as pessoas para o Pai e construir um futuro de esperança para toda a humanidade..." e, ainda, "...Levai o conhecimento e o amor de Cristo ao mundo inteiro. Ele quer que sejais os seus apóstolos no século XXI e os mensageiros da sua alegria. Não O desiludais! ..."

Não o desiludais! Este foi o chamado que Ele me fez. Que grande missão! Este pedido do papa, todos os dias ecoa em meu coração.

Aprendi também que o Espírito de Deus suscita em nós muitos dons e talentos e que quanto mais nos permitimos ser instrumentos, mais ele nos chama a servir.  Aprendi a beleza de servir também no silêncio e no anonimato, em um amor escondido. Aprendi que se ama de graça, e só assim é verdadeiro amor. Saber amar também é graça e de graça se é amado por Deus.  Quanto mais estou atenta aos gestos de amor que Ele nos presenteia a cada dia da nossa jornada, percebo que as graças e bênçãos que recebo tem sempre proporções muito maiores do que o SIM que renovo a cada dia, e que mesmo assim, Ele não se importa em dar mais do que receber.  Dar mais do que receber... eis a base do perdão. Em comunidade, aprendemos a perdoar, 70x7! Se o amor constrói, o perdão cura as rachaduras desta obra inacabada que se deixa moldar nas mãos do Senhor.

Aprendi que não há alegria maior do que percorrer o caminho de Emaús e junto ao irmão, sentir o coração arder enquanto ouvimos as escrituras. Corações que juntos batem ao ritmo do coração de Cristo, imprimindo novo andamento a uma vida renovada no Seu amor. Aprendi que é muito melhor quando O reconhecemos ao partir do pão junto aos irmãos, junto àqueles jovens que haviam esquecido da sua presença viva entre nós, ou que sequer não o conheciam!

Neste ano em que a comunidade de Emaús em Florianópolis comemora seus 40 anos de serviço à nossa Arquidiocese, fica o sentimento de pertença, de alegria por fazer parte deste instrumento de evangelização e de vivencia de fé que marca gerações e que permite uma experiência de vida única na vida de tantos jovens. Fica a certeza de que todos aqueles que percorreram esta caminhada, levam consigo um amor profundo para dar ao mundo e assim destruir qualquer dor, como diz nosso hino.


Hoje minha alma está em festa
Não há mesa como esta sempre há pão pra se partir
Minha alma é aquela aldeia
Meu amor a estalagem Emaús enfim sou eu...”
Fica Conosco Senhor! 
Com Carinho, Marília Moser



segunda-feira, 16 de junho de 2014

Risoto Solidário 2014 - Comunidade Católica Divino Oleiro

Dia Mundial das Missões 2014


“Queridos irmãos e irmãs!

Ainda hoje há tanta gente que não conhece Jesus Cristo. Por isso, continua a revestir-se de grande urgência a missão ad gentes, na qual são chamados a participar todos os membros da Igreja, pois esta é, por sua natureza, missionária: a Igreja nasceu «em saída».

O Dia Mundial das Missões é um momento privilegiado para os fiéis dos vários Continentes se empenharem, com a oração e gestos concretos de solidariedade, no apoio às Igrejas jovens dos territórios de missão.

Trata-se de uma ocorrência permeada de graça e alegria: de graça, porque o Espírito Santo, enviado pelo Pai, dá sabedoria e fortaleza a quantos são dóceis à sua ação; de alegria, porque Jesus Cristo, Filho do Pai, enviado a evangelizar o mundo, sustenta e acompanha a nossa obra missionária. E, justamente sobre a alegria de Jesus e dos discípulos missionários, quero propor um ícone bíblico que encontramos no Evangelho de Lucas (cf. 10, 21-23).

1. Narra o evangelista que o Senhor enviou, dois a dois, os setenta e dois discípulos a anunciar, nas cidades e aldeias, que o Reino de Deus estava próximo, preparando assim as pessoas para o encontro com Jesus. Cumprida esta missão de anúncio, os discípulos regressaram cheios de alegria: a alegria é um traço dominante desta primeira e inesquecível experiência missionária.

O Mestre divino disse-lhes: «Não vos alegreis, porque os espíritos vos obedecem; alegrai-vos, antes, por estarem os vossos nomes escritos no Céu. Nesse mesmo instante, Jesus estremeceu de alegria sob a acção do Espírito Santo e disse: “Bendigo-te, ó Pai (…)”. Voltando-se, depois, para os discípulos, disse-lhes em particular: “Felizes os olhos que vêem o que estais a ver”» (Lc 10, 20-21.23).

As cenas apresentadas por Lucas são três: primeiro, Jesus falou aos discípulos, depois dirigiu-Se ao Pai, para voltar de novo a falar com eles. Jesus quer tornar os discípulos participantes da sua alegria, que era diferente e superior àquela que tinham acabado de experimentar.

2. Os discípulos estavam cheios de alegria, entusiasmados com o poder de libertar as pessoas dos demónios. Jesus, porém, recomendou-lhes que não se alegrassem tanto pelo poder recebido, como sobretudo pelo amor alcançado, ou seja, «por estarem os vossos nomes escritos no Céu» (Lc 10, 20).

Com efeito, fora-lhes concedida a experiência do amor de Deus e também a possibilidade de o partilhar. E esta experiência dos discípulos é motivo de jubilosa gratidão para o coração de Jesus. Lucas viu este júbilo numa perspectiva de comunhão trinitária: «Jesus estremeceu de alegria sob a acção do Espírito Santo», dirigindo-Se ao Pai e bendizendo-O.

Este momento de íntimo júbilo brota do amor profundo que Jesus sente como Filho por seu Pai, Senhor do Céu e da Terra, que escondeu estas coisas aos sábios e aos inteligentes e as revelou aos pequeninos (cf. Lc 10, 21).

Deus escondeu e revelou, mas, nesta oração de louvor, é sobretudo a revelação que se põe em realce. Que foi que Deus revelou e escondeu? Os mistérios do seu Reino, a consolidação da soberania divina de Jesus e a vitória sobre satanás.

Deus escondeu tudo isto àqueles que se sentem demasiado cheios de si e pretendem saber já tudo. De certo modo, estão cegos pela própria presunção e não deixam espaço a Deus.

Pode-se facilmente pensar em alguns contemporâneos de Jesus que Ele várias vezes advertiu, mas trata-se de um perigo que perdura sempre e tem a ver connosco também. Ao passo que os «pequeninos» são os humildes, os simples, os pobres, os marginalizados, os que não têm voz, os cansados e oprimidos, que Jesus declarou «felizes». Pode-se facilmente pensar em Maria, em José, nos pescadores da Galileia e nos discípulos chamados ao longo da estrada durante a sua pregação.

3. «Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado» (Lc 10, 21). Esta frase de Jesus deve ser entendida como referida à sua exultação interior, querendo «o teu agrado» significar o plano salvífico e benevolente do Pai para com os homens.

No contexto desta bondade divina, Jesus exultou, porque o Pai decidiu amar os homens com o mesmo amor que tem pelo Filho. Além disso, Lucas faz-nos pensar numa exultação idêntica: a de Maria. «A minha alma glorifica o Senhor e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador» (Lc 1, 46-47).

Estamos perante a boa Notícia que conduz à salvação. Levando no seu ventre Jesus, o Evangelizador por excelência, Maria encontrou Isabel e exultou de alegria no Espírito Santo, cantando o Magnificat.

Jesus, ao ver o bom êxito da missão dos seus discípulos e, consequentemente, a sua alegria, exultou no Espírito Santo e dirigiu-Se a seu Pai em oração. Em ambos os casos, trata-se de uma alegria pela salvação em ato, porque o amor com que o Pai ama o Filho chega até nós e, por obra do Espírito Santo, envolve-nos e faz-nos entrar na vida trinitária.

O Pai é a fonte da alegria. O Filho é a sua manifestação, e o Espírito Santo o animador. Imediatamente depois de ter louvado o Pai – como diz o evangelista Mateus – Jesus convida-nos: «Vinde a Mim, todos os que estais cansados e oprimidos, que Eu hei-de aliviar-vos. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de Mim, porque sou manso e humilde de coração e encontrareis descanso para o vosso espírito. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve» (Mt 11, 28-30).

«A alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus. Quantos se deixam salvar por Ele são libertados do pecado, da tristeza, do vazio interior, do isolamento. Com Jesus Cristo, renasce sem cessar a alegria» (Exort. ap. Evangelii gaudium, 1).

De tal encontro com Jesus, a Virgem Maria teve uma experiência totalmente singular e tornou-se «causa nostrae laetitiae». Os discípulos, por sua vez, receberam a chamada para estar com Jesus e ser enviados por Ele a evangelizar (cf. Mc 3, 14), e, feito isso, sentem-se repletos de alegria. Porque não entramos também nós nesta torrente de alegria?

4. «O grande risco do mundo actual, com a sua múltipla e avassaladora oferta de consumo, é uma tristeza individualista que brota do coração comodista e mesquinho, da busca desordenada de prazeres superficiais, da consciência isolada» (Exort. ap. Evangelii gaudium, 2). Por isso, a humanidade tem grande necessidade de dessedentar-se na salvação trazida por Cristo.

Os discípulos são aqueles que se deixam conquistar mais e mais pelo amor de Jesus e marcar pelo fogo da paixão pelo Reino de Deus, para serem portadores da alegria do Evangelho. Todos os discípulos do Senhor são chamados a alimentar a alegria da evangelização.

Os bispos, como primeiros responsáveis do anúncio, têm o dever de incentivar a unidade da Igreja local à volta do compromisso missionário, tendo em conta que a alegria de comunicar Jesus Cristo se exprime tanto na preocupação de O anunciar nos lugares mais remotos como na saída constante para as periferias de seu próprio território, onde há mais gente pobre à espera.

Em muitas regiões, escasseiam as vocações ao sacerdócio e à vida consagrada. Com frequência, isso fica-se a dever à falta de um fervor apostólico contagioso nas comunidades, o que faz com as mesmas sejam pobres de entusiasmo e não suscitem fascínio.

A alegria do Evangelho brota do encontro com Cristo e da partilha com os pobres. Por isso, encorajo as comunidades paroquiais, as associações e os grupos a viverem uma intensa vida fraterna, fundada no amor a Jesus e atenta às necessidades dos mais carecidos.

Onde há alegria, fervor, ânsia de levar Cristo aos outros, surgem vocações genuínas, nomeadamente as vocações laicais à missão. Na realidade, aumentou a consciência da identidade e missão dos fiéis leigos na Igreja, bem como a noção de que eles são chamados a assumir um papel cada vez mais relevante na difusão do Evangelho. Por isso, é importante uma adequada formação deles, tendo em vista uma acção apostólica eficaz.

5. «Deus ama quem dá com alegria» (2 Cor 9, 7). O Dia Mundial das Missões é também um momento propício para reavivar o desejo e o dever moral de participar jubilosamente na missão ad gentes. A contribuição monetária pessoal é sinal de uma oblação de si mesmo, primeiramente ao Senhor e depois aos irmãos, para que a própria oferta material se torne instrumento de evangelização de uma humanidade edificada no amor.

Queridos irmãos e irmãs, neste Dia Mundial das Missões, dirijo o meu pensamento a todas as Igrejas locais: Não nos deixemos roubar a alegria da evangelização! Convido-vos a mergulhar na alegria do Evangelho e a alimentar um amor capaz de iluminar a vossa vocação e missão.

Exorto-vos a recordar, numa espécie de peregrinação interior, aquele «primeiro amor» com que o Senhor Jesus Cristo incendiou o coração de cada um; recordá-lo, não por um sentimento de nostalgia, mas para perseverar na alegria. O discípulo do Senhor persevera na alegria, quando está com Ele, quando faz a sua vontade, quando partilha a fé, a esperança e a caridade evangélica.

A Maria, modelo de uma evangelização humilde e jubilosa, elevemos a nossa oração, para que a Igreja se torne uma casa para muitos, uma mãe para todos os povos e possibilite o nascimento de um mundo novo”.

Vaticano, 8 de Junho – Solenidade de Pentecostes – de 2014.
Papa Francesco

domingo, 15 de junho de 2014

“Ele me amou e se entregou por mim” (Gl 2,20)


A importância da devoção ao Coração de Jesus



Neste texto pretendemos mostrar como, na vida da Igreja e do mundo, a devoção ao Coração de Jesus tem sido uma expressão de fé iniludível a ter em conta, a abraçar ou a rejeitar. Experimentar o amor de Deus dirigindo o olhar ao coração transpassado de Cristo na cruz nunca pode nos deixar indiferentes: na relação com o seu coração está em jogo o centro da espiritualidade cristã. Trata-se de levar a cabo a recomendação de São Paulo: “tende os mesmos sentimentos de Cristo Jesus” (Fl 2,5).
Cada época, com sua fé e sua cultura, fez emergir formas de devoção; algumas, contudo, não resistiram ao desgaste do tempo. Ora, em que sentido é que a devoção ao Coração de Jesus não será uma forma ultrapassada de expressão de fé, própria de outras épocas e culturas, tampouco uma forma de piedade por demais sentimental, intimista e inconsistente?
Para responder, parece-nos sugestivo partir da revelação bíblica. Uma coisa é certa: com profundas raízes bíblicas, a espiritualidade do Coração de Jesus, classificada por Pio XI como “a síntese de toda a religião cristã”, é capaz de atravessar os sulcos da história, ultrapassar culturas, épocas e costumes e permanecer para sempre. Uma vez considerados à luz da Sagrada Escritura os elementos constitutivos desta devoção, poderemos apreciar melhor a importância que a devoção ao Coração de Jesus adquiriu na fé cristã.
Na verdade, o culto augusto ao Coração de Jesus sugere, antes de tudo, uma proximidade íntima e meiga com Jesus, que proclama: “Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração” (Mt 11,29). Invocá-lo desta forma significa, então, seguir suas orientações e também saber estabelecer relações fraternas, a ponto de tornar-nos mais disponíveis para uma vida em prol dos outros. Quem se deixa amar por Deus, que tem um rosto concreto, o de Jesus, este que ama “com um coração de homem” (GS 22), entra precisamente na escola do amor do Coração de Jesus. Nela, não é apenas o conteúdo, mas também o modo de ensinar do Mestre, que tem muito a nos dizer ainda hoje. Jesus não impõe sua vontade nem obriga a ninguém a acolher sem mais seus ensinamentos. Todavia, mediante gestos e palavras estabelece uma comunicação direta e pessoal que, se for aceite, torna-se comunhão, intimidade, amizade.
É significativo a este respeito o testemunho de alguém que tudo fizera para viver uma comunhão íntima de sentimentos com os de Cristo Redentor, São João Paulo II. Para ele, “A Nova Evangelização, à luz do Sagrado Coração de Jesus, deve conscientizar o mundo de que o Cristianismo é a religião da misericórdia e do amor.”
Nos dias atuais, longe de se limitar a piedosas práticas vividas na intimidade e no silêncio, é urgente anunciarmos aos corações o Coração de Jesus, para que este seja mais conhecido e amado. Aquele que de fato é um apóstolo do Coração de Jesus tem como penhor uma promessa de salvação: seu nome gravado para sempre no Livro da Vida (Ap 3,5). Em outras palavras, é ter seu nome inscrito no Coração de Jesus, que, aberto, jorra sangue e água (Jo 19,33). Bem pôde Teilhard de Chardin dizer que “no coração do universo está um coração, o Coração de Cristo, que só nos pode amar e nos quer salvar.” Na realidade - e os vinte séculos de história estão para atestá-lo -, tinha toda a razão São Paulo, quando, apoiando-se em sua própria experiência, declarou: “Ele me amou e se entregou por mim” (Gl 2,20).

Ismael Weiduschath

Seminarista da Arquidiocese de Florianópolis
Bacharel em Filosofia e Graduando em Teologia

sexta-feira, 13 de junho de 2014

#IrCristina #TheVoice2014 #Itália

A Irmã Cristina foi a Vencedora do The VOice 2014 na Itália.
Não acompanhou? Reveja essa compilação.
Será que ele mereceu o prêmio?
(risos)


terça-feira, 10 de junho de 2014

#Futebol explicado por Bento XVI



Antes da Copa do Mundo de 1986, foi publicado um texto do então cardeal Joseph Ratzinger, com o título: “Busquem as coisas do alto”. O texto foi escrito em resposta à seguinte pergunta: “Por que este esporte movimenta tanta gente assim?”. O jornal italiano tempo.it publicou a resposta de Bento XVI.

A cada quatro anos a Copa do Mundo se transforma num evento que fascina milhões de pessoas. Nenhum acontecimento na Terra pode ter um efeito vasto assim, o que demostra que esta manifestação esportiva toca qualquer elemento primordial da humanidade.

jogo vai além da vida do dia a dia. Mas, sobretudo nas crianças, tem a característica de exercício para a vida. Simboliza a própria vida e a antecipa a experiência, por assim dizer, de uma maneira de viver livremente estruturada.

Força o homem a se impor uma disciplina de modo a obter com treinamento o domínio de si. Com o domínio, a superioridade; e com a superioridade, a liberdade. Ensina sobretudo uma disciplinada harmônica: como jogo de equipe obriga à inclusão do indivíduo na equipe. Unir os jogadores com um objetivo comum; o sucesso e o insucesso de cada um está no sucesso e no insucesso de tudo.

Ensina também uma leal rivalidade, onde a regra comum permanece no elemento que liga e une na oposição. Enfim, a liberdade do jogo, se este se executa corretamente, anula a seriedade da rivalidade. Assistindo, os homens se identificam com o jogo e com os jogadores, e participam assim, pessoalmente da união e rivalidade, da serenidade e liberdade: os jogadores se tornam um símbolo da própria vida; o que repercute a sua volta sobre eles: esses sabem que os homens representam neles, eles mesmos, e se sentem confirmados. Naturalmente tudo pode ser inclinado a um espírito empresarial, sujeitando tudo à seriedade sombria do dinheiro, transformando o jogo em indústria, e criando um mundo fictício de dimensão assustadora. 

Mas nem mesmo este mundo fictício poderia existir sem o aspecto positivo que está na base do jogo: o exercício à vida e a superação da vida em direção ao Paraíso perdido. Em ambos os casos se trata porém de buscar uma disciplina de liberdade; para exercer com harmonia a rivalidade e o acordo em obediência à regra.

Talvez, refletindo sobre estas coisas, podemos novamente aprender dojogo a viver, porque em si mesmo é evidente uma coisa fundamental: o homem não vive somente de pão, o mundo do pão é somente o prelúdio da verdadeira humanidade, do mundo da liberdade. A liberdade se nutre porém da regra, da disciplina, que ensina a harmonia e a rivalidade leal, a independência do sucesso exterior e do arbítrio, e torna-se precisamente assim verdadeiramente livre. O jogo, uma vida. Se vamos mais fundo, o fenômeno de modo apaixonado pelo futebol pode nos dar mais do que um pouco de diversão. 

Fonte: Aleteia

#Testemunho #VivianQuintão


Há 11 anos minha vida mudou! Mudou muito. Mudou pra melhor.

No dia 10 de junho de 2003, pela primeira vez, participei de uma missa carismática...

E agora, com emoção e gratidão, lembro daquela terça-feira em que o Pe. Marcio celebrava na Igreja Nossa Senhora do Parto e, em adoração, cantávamos “Basta Mencionar Teu Nome”. Minha vida se dividiu num “antes e depois” daquele momento ímpar.
Como não ser eternamente grata por aquele 10 de junho que, arrisco dizer, é o segundo dia mais importante da minha vida? E a cada ano Deus me prepara de uma forma mais especial para esse dia... 
Domingo celebramos Pentecostes, ontem eu li o discurso do Papa Francisco aos participantes de um encontro da Renovação Carismática Católica e meu coração exultava de alegria pelas palavras: “a Renovação Carismática nasceu de um desejo do Espírito Santo como ‘uma corrente de graça’ na Igreja e para a Igreja” e hoje já é o MEU dia novamente! Dia de celebrar uma vida nova, uma nova alegria, uma nova motivação, uma Vivian renovada!
Hoje é dia de festa, louvado seja Deus!


segunda-feira, 9 de junho de 2014

#Sinfonia #EspíritoSanto

#ArvoredaPAZ

#FicaDica de Leitura


O Rosário é a bússola do homem que deseja estar atento durante sua travessia terrena. A Igreja convida, de forma especial, a juventude a se aplicar, atenciosamente, à oração do Santo Rosário, ter um coração mariano e assim se deixar configurar a Cristo, pois Ele é a rota segura que ajudará o jovem do século XXI a viver a beleza do momento.
Disponível em: www.edicoescnbb.com.br

#Convite #RisotoSolidário2014

#Pentecostes2014 #CDO # CEAR


Momentos Especiais do dia de Pentecostes no CEar

"#EuTenhoQueEvangelizar!"



E nos últimos dias acontecerá, diz Deus, Que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne; E os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, Os vossos jovens terão visões, E os vossos velhos sonharão sonhos;(Atos 2,17)


Graças e louvores sejam elevadas ao Santo Espírito de Deus, que se manisfestou maravilhosamente nesses dias. 
No mundo inteiro o Espírito Santo foi honrado e clamado por tantas pessoas. 
De forma extraordinária, mas também comum, ele vem sobre nós.
E a Vinda do Espírito Santo sobre nós é para nos fortalecer e encorajar, nos levar a uma maior intimidade com Ele, para que possamos levá-Lo a todos os cantos deste mundo.
Que possamos pós o dia de Pentecostes, nos levantar e sair de nosso comodismo e levar o testemunho de alguém que encontrou e foi tomado pelo Espírito de Deus e que sente o dever, como diz Paulo: "#EuTenhoQueEvangelizar!" 

domingo, 8 de junho de 2014

#DicaMusical #FicaDica

Chegou Pentecostes - Aline Brasil

Chegou o dia de Pentecostes
Estamos todos reunidos para receber
O cumprimento da promessa de Deus
Abro o meu coração pra receber
O Espírito que faz tudo novo
Hoje aqui irá fazer
Uma obra nova, uma obra nova

Vem sobre mim Senhor
Vem sobre mim
E o meu cálice, E o meu cálice transbordará

Chegou o dia de Pentecostes

#Evangelho #Domingo #Pentecostes


 (Jo 20,19-23)

 Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse: “A paz esteja convosco”. Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor. Novamente, Jesus disse: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio”. E, depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem não os perdoardes, eles lhes serão retidos”.

#DiaDoSenhor

O Significado do Dia do Senhor

O que é o Dia do Senhor?

“Lembra-te do dia do sábado, para santificá-lo” (Êxodo 20,8). A origem do termo “Dia do Senhor” vem da palavra hebraica Sabbath, que significa descanso. Antes da Ressurreição de Jesus Cristo, o Sabbath comemorava o dia de descanso de Deus após Ele haver terminado a Criação. Era um sinal da aliança entre Ele e Seu povo. Lemos em Gênesis que Deus criou os céus e a terra em seis dias: “E havendo Deus acabado no dia sétimo a obra que fizera, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito. E abençoou Deus o sétimo dia, e o santificou” (Gênesis 2,2–3).

Atualmente, o Dia do Senhor celebra-se a Ressurreição de Jesus Cristo. O Sabbath (Dia do Senhor) ocorre a cada sete dias. É um dia santo ordenado por Deus para descansarmos dos labores diários e adorá-Lo.

O Propósito do Dia do Senhor

Jesus ensinou que o Dia do Senhor foi feito para beneficiar o homem (Marcos 2, 27). O propósito do Dia do Senhor é dar-nos um dia da semana no qual direcionamos os pensamentos e as ações para Deus. Não é apenas um dia para descansar do trabalho. É um dia sagrado que deve ser passado em adoração e reverência. Ao descansarmos das atividades diárias usuais, ficamos com a mente livre para ponderar sobre assuntos espirituais. Nesse dia, precisamos renovar nossa aliança com o Senhor e alimentar a alma com as coisas do Espírito.

Por que o Dia do Senhor foi mudado do sétimo para o primeiro dia da semana?


Até a Ressurreição de Jesus Cristo, Ele e Seus discípulos guardaram o sétimo dia como o dia santo. Após a Ressurreição, o domingo passou a ser santificado e considerado o Dia do Senhor, em lembrança de Sua Ressurreição naquele dia (Atos 20,7; I Coríntios 16,2). Daquela época em diante, os seguidores de Jesus passaram a guardar o primeiro dia da semana como o Dia do Senhor. Nos dois casos, havia seis dias de trabalho e um para descanso e devoção.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

#TonyAlysson #FicaDica

Com alegria acabamos de ler o post na página de Tony Allysson no facebook, que diz: "#Chegou Você já comprou o seu CD Soberano? Peça agora o seu pelo fone: (12) 3186-2000. Ou http://loja.cancaonova.com" 
Em breve, sem dúvidas, estará em nossa Sintonia Mais Feliz com Jesus


#PanfletoCNBB #Copa2014

A CNBB se posicionou diante da realização da Copa no Brasil, que se inicia no dia 12 de Junho.
Você concorda? Quais seus argumentos?
Será que existem outras prioridades no Brasil?
Pense! Participe! Comente!


Irmã Cristina vence o The Voice Itália


Não há ninguém que acompanhou a Ir. Cristina, que não fique impressionado com o seu jeito de ser. 
Ela mostrou como ser Sinal da Igreja, mesmo em um ambiente não cristão
Veja sua apresentação no Final do The Voice




#Trofeu #LouvemosoSenhor

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Papa Francisco: O Papa de Todos

Sinopse

O mundo ficou impressionado com o dia 13 de março de 2013, data em que Jorge Mario Bergoglio, arcebispo de Buenos Aires, se tornou Papa Francisco. Seus primeiros dias de pontificado são a evidência de uma atitude austera, próxima ao povo, e a favor de uma cultura de encontro entre Deus e os homens, bem como uma nova etapa de evangelização. Este documentário foca o pensamento que deu base à vida de Jorge Mario Bergoglio, um pensamento que o levou a se tornar o novo Sumo Pontífice e que pressagia uma nova era para a Igreja Católica no mundo.

Neste documentário, que pode ser descrito como uma edição especial para colecionadores, é apresentado o pensamento que deu base à vida do religioso. Seu estilo de vida simples, próximo do povo e seus profundos conhecimentos sobre Teologia, contribuíram para que Bergoglio conquistasse a confiança e simpatia dos fiéis e de boa parte da opinião pública, que o conduziram à trajetória de novo Sumo Pontífice. O filme mostra um pouco do estilo de Bergoglio à frente da Igreja Católica na Argentina, que já apontava para a construção de uma nova era da religião para o mundo. Em seus primeiros dias em Roma, o Papa Francisco mostrou que vai conduzir a estrutura da Igreja Católica com uma atitude austera, com forte preocupação social e favorável a uma cultura de encontro entre Deus e os homens. 

CARACTERÍSTICAS: 
Ano de Produção: 2013 
Idioma do Áudio: Espanhol, Português 
Idioma da Legenda: Inglês 
País de Produção: Brasil 
Sistema de Som: Dolby Digital 2.0 

#VeniCreatorSpiritus

Vinde Espírito Criador


Vinde Espírito Criador,
Visitai as almas vossas,
Enchei da graça do alto,
Os corações que criastes.


Sois chamado Consolador,
O dom de Deus Altíssimo,
Fonte viva, fogo, caridade,
E unção espiritual.


Sois formado de sete dons,
O dedo da direita de Deus,
Solene promessa do Pai,
Que inspira as palavras.


Iluminai os sentidos,
Infundi o amor nos corações,
Fortalecei nossos corpos,
Virtude firmai para sempre.



Afastai o inimigo,
Dai-nos a paz sem demora;
E assim guiados por Vós,
Evitaremos todo o mal.



Fazei-nos conhecer o Pai,
E revelai-nos o Filho;
Para acreditar sempre em Vós, Espírito
Que de ambos procedeis.



Glória seja dada ao Pai,
E ao Filho que da morte
Ressuscitou, ao Espírito Paráclito
Pelos séculos dos séculos.



Amém

#DiaDeAdoração


"Adorar a Deus até o fim" (Papa Francisco)
Hoje, em todos os Espaços de Evangelização da Comunidade Divino Oleiro, há a presença do SS. Sacramento exposto. Para que as pessoas possam colocar-se na presença do Senhor. 

Itajaí 
Rua Jorge Mattos n 75 - Centro
047 3348 9073

Balneário Camboriú
Rua 2550 n 947 - Centro
047 3360 2344

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Seja Feliz!

Somos uma obra das mãos de Deus, inspirada no coração de nosso Fundador Pe. Marcio Alexandre Vignoli. Neste mês realizaremos o segundo Retiro Vocacional de 2014, e contamos com sua presença. Será um momento de você discernir os Planos de Deus para a sua vida, colocando-se na presença d´Ele e estando disponível a ouvir Sua Voz.


"Aceite o propósito de Deus para sua vida e viva o chamado que Ele tem pra você. A conseqüência é que você será muito feliz."

Promoção da Semana #SergioGomes


Sergio Gomes é membro em aliança da Comunidade Católica Divino Oleiro e precursor do ritmo Sertanejo Universitário no Cenário Musical Católico. Nesta semana de preparação para a Festa de Pentecostes, estamos sorteando o seu primeiro CD. 

Para participar,




  • INSTRUÇÕES
  • 1 - CURTA A NOSSA FANPAGE https://www.facebook.com/RadioCatolica1500am
  • 3 - CLIQUE NO BOTÃO PARTICIPAR
  •  https://www.sorteiefb.com.br/tab/promocao/349965 

  • 5 - SORTEIO de um CD no dia  08 DE JUNHO DE 2014
  • Promoção do Mês #SagradoCoração


    Pe. Marcio tem um carinho muito especial pelo Mistério da Encarnação. Todos os anos, durantes os meses de Janeiro, Junho e Julho, ele dedica suas celebrações à esses mistérios: Santíssimo Nome, Sacratíssimo Coração e Santíssimo Sangue de Jesus, respectivamente. São os três meses do ano que iniciam com a letra J do nome Jesus. E neste mês, junho, celebramos o Sagrado Coração de Jesus e queremos sortear o livro: Jesus - Neste nome há poder, escrito por Pe. Marcio. 

    Para Participar,

    INSTRUÇÕES:

    1 - CURTA A NOSSA FANPAGE https://www.facebook.com/RadioCatolica1500am
    3 - CLIQUE NO BOTÃO PARTICIPAR: 
    https://www.sorteiefb.com.br/tab/promocao/349752 
    5 - SORTEIO: 30 DE JUNHO DE 2014

    As 12 Promessas do Sagrado Coração de Jesus


    #Compartilhe #Facebook #MêsDoSCJ



    Novena de Pentecostes

    Nós nos preparemos para a Festa de Pentecostes, rezando durante nove dias esta oração, clamando os dons do Espírito Santo sobre nós, nossas famílias e sobre toda a Igreja.
    Vinde, Espírito de Sabedoria!
    Instruí o meu coração para que eu saiba estimar e amar os bens celestes e antepô-lo a todos os bens da terra. (Glória ao Pai…)
    Vinde, Espírito de Inteligência! Iluminai a minha mente para que entenda e abrace todos os mistérios e mereça alcançar um pleno conhecimento Vosso, do Pai e do Filho. (Glória ao Pai…)
    Vinde, Espírito de Conselho!
    Assisti-me em todos os assuntos desta vida instável, tornai-me dócil às Vossas inspirações e guiai-me sempre pelo direito caminho dos divinos mandamentos. (Glória ao Pai…)
    Vinde, Espírito de Fortaleza!
    Fortalecei o meu coração em todas as perturbações e adversidades e dai à minha alma o vigor necessário para resistir a todos os meus inimigos. (Glória ao Pai…)
    Vinde, Espírito de Ciência!
    Fazei-me ver a vaidade de todos os bens caducos deste mundo, para que não use deles senão para Vossa maior glória e salvação da minha alma. (Glória ao Pai…)
    Vinde, Espírito de Piedade! 
    Vinde morar no meu coração e inclinai-o para a verdadeira piedade e santo amor de Deus. (Glória ao Pai…)
    Vinde, Espírito de Temor de Deus!
    Repassai a minha carne com o Vosso santo temor, de modo que tenha sempre Deus presente e evite tudo o que possa desagradar aos olhos de Sua divina majestade. (Glória ao Pai…)
    Divino Espírito Santo, eu vos ofereço todas as preces da santíssima Virgem e dos apóstolos reunidos no cenáculo, e a estas uno todas as minhas orações, suplicando-Vos que Vos apresseis em vir renovar a face da terra.
    - Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado.
    - E renovareis a face da terra.
    Oremos: Ó Deus, que instruístes os corações dos fiéis com a luz do Espírito Santo, dai-nos pelo mesmo Espírito o conhecimento e o amor da justiça e que gozemos sempre da Sua consolação. Amém.
    *** Rezar três Ave-Marias a Nossa Senhora de Pentecostes com a invocação:
    “Rainha dos Apóstolos, rogai por nós!”

    Desculpe! Em breve...